SPFW Verão 2017 – Balanço Geral do Evento

Logo na chegada à Bienal no Ibirapuera em São Paulo, já era possível perceber a diferença entre a temporada passada: muito mais gente e muito mais animação. Deu pra sentir ali, que o SPFW41 prometia!

maos q valem ouro

SPFW 41 Verão 2017

O evento, que aconteceu de 25 a 29 de abril, veio com o tema, “Mãos que valem ouro” e, procurou nesta temporada celebrar a capacidade humana de se repensar, de colocar a mão na massa, se reinventar e recomeçar.

Tudo a ver com o momento de crise que vivemos não é mesmo e, que foi principalmente percebido por quem esteve na Bienal na última temporada.

bienalNesta, era possível notar os corredores cheios de famosos, fashionistas, jornalistas, empresários e curiosos, que corriam de um lado para o outro tentando captar o melhor momento, o melhor look, o melhor olhar sobre tudo o que estava acontecendo.

Para tanta movimentação, tênis e calçados baixos era imprescindível.

mari

Mudanças Reais

“Talvez seja pelo verão”. Constatei ao perceber que mesmo no frio que tomou conta da cidade a partir do meio da semana, as pessoas estavam super animadas, aguardando ansiosas pelas novidades, afinal, somos um país tropical, que passa mais tempo de short e chinelo, que de bota e casaco (bom, pelo menos eu). Isto sem falar em nosso Nordeste, onde é raro presenciar temperaturas abaixo dos 25 graus.

Seja por isso ou simplesmente pela expectativa de melhora econômica, mesmo com todas as transformações, o evento a meu ver foi um sucesso.

Vivemos um período de intensas transformações. Somos todos protagonistas de um novo ciclo que se inicia. Mais do que nunca temos a oportunidade de potencializar e compartilhar verdades, essências, experiências, ” disse Paulo Borges, diretor criativo do SPFW.

E bota transformação nisso. Quem assiste aos desfiles hoje, consegue facilmente listar alguns objetos de desejo, muito diferente de alguns anos, quando os desfiles eram totalmente conceituais.

patriciavieira-lookbook-spfw-verao17-lookbook-061-654x980
Coleção Patricia Vieira para o SPFW 41 verão 2017

Talvez para atender um mercado mais urgente, mais imediatista, muitas são as marcas que se adaptaram e têm apresentado nas passarelas modelos mais, digamos, “usáveis”.

Agora pensem na transformação, há dez anos, quando tive meu primeiro contato com este mundo, (o qual ainda estou tentando entender), os desfiles eram produzidos pensando nos profissionais da indústria, que tiravam dali inspiração para fazer a moda que consumíamos.

Ellus
Coleção Ellus para o SPFW 41 verão 2017

O tempo que demandava até que a informação chegasse ao público final era enorme e, era possível manter a surpresa dos modelos quando estes chegavam às vitrines.

Mesmo se um reles mortal tivesse acesso aos desfiles, não entenderia nada e acharia bizarro aqueles modelos estranhos vestindo modelos mais estranhas ainda.

iodice-spfw-verao17-lookbook-21-654x983Mas a forma de se comunicar mudou e com isto, tudo ficou muito mais rápido. Os desfiles são transmitidos ao vivo pelas redes sociais, (nós mesmo filmamos tudo e pode ser visto em nosso canal do youtube) e isso cria uma urgência entre o ver, o querer e o possuir.

Todos os envolvidos neste processo precisaram mudar sua forma de entender as necessidades deste público, que não querem mais esperar para ver estes modelos nas ruas.

O lado negativo é que a surpresa acabou!

triya-lookbook-spfw-verao17-lookbook-01-318x480
Triya para o SPFW 41 verão 2017

Por exemplo, apesar de estarmos para entrar no inverno 2016, assistimos a temporada verão 2017, mas quem vai para a Bahia no próximo mês já deseja um dos modelos em sua mala, AGORA!

As marcas já notaram estes movimentos e os conceitos apresentados vão se transformando, para que se consiga apesar do imediatismo, apresentar mais e mais novidades.

Isto é com certeza uma tendência, gostem dela ou não!

Indo de encontro a este movimento, tivemos a Riachuelo, que apresentou uma coleção assinada por Karl Lagerfeld e a proposta “see now buy now”, no português: “veja agora, compre agora”.

riachuelo 2017Isso mesmo que você leu. Após o desfile liderado pela top Isabeli Fontana, entraram na passarela as araras com as roupas que haviam acabado de desfilar, para que as mais ansiosas pudessem ali mesmo, satisfazer seus desejos consumistas.

O interessante é que tudo isto aconteceu horas antes de a coleção de inverno, assinada pelo mesmo estilista, fosse entregue nas 140 lojas da marca.

Um exagero? Não sei dizer! Afinal, a moda não é para isso, para agradar e satisfazer. Com tudo à mão, quero ver você dizer para uma mulher que ela precisa esperar até dezembro para usar os modelitos mais desejados.

Faz assim, vamos falar sobre este assunto. Deixe o seu comentário, compartilhe e não perca o próximo post quando falaremos sobre as tendências apresentadas.

Bjkas e até a próxima mulherada.

Imagens: Reprodução SPFW oficial

Claudia Freitas

Claudia Freitas, bem maior de 40, jornalista e editora deste singelo Blog.

Oi deixe sua crítica, ideia ou sugestão.